SOBRE

Germinal, a Revista da Oposição Operária.

Estamos apresentando ao movimento dos trabalhadores o site da Germinal, a revista Oposição Operária.

É importante que tenhamos um instrumento que possa ser útil e ágil na manifestação de opiniões, análises, e que também possa ser um verdadeiro banco de dados ao alcance dos trabalhadores, para o resgate de documentos, jornais e boletins que marcaram e marcam a nossa trajetória histórica.

Mas muitos que não nos conhecem — e até alguns que conhecem — perguntam quem realmente são os membros da OPOP. O que querem? Quais as suas posições em relação ao movimento dos trabalhadores e por que têm uma visão tão particular do movimento. Por que, por exemplo, não se engalfinham, como tantos grupos o fazem, na disputa do aparelho sindical?

É por isso que achamos necessário fazer um breve histórico acerca da origem da Oposição Operária, compreendendo seu atual estágio de intervenção.

A partir da organização existente em algumas categorias, como as oposições a diretorias de sindicatos, desde meados da década de 80, um grupo de companheiros ligados à oposição “Nós Bancários” e à oposição rodoviária “A Estrada”, resolveram constituir um núcleo de aglutinação em torno de propostas e projetos conjuntos vinculados às suas concepções de intervenção tática e estratégica na luta de classes. A idéia inicial era a ruptura com o corporativismo, era buscar tratar os problemas dos diversos segmentos de trabalhadores entre esses mesmos trabalhadores sem que nos rotulássemos de “bancários”, “metalúrgicos”, “petroleiros”, etc., dado que muitos dos interesses da classe poderiam e podem ter tratamento comum.

Partindo da análise do movimento sindical e suas raízes históricas na ditadura varguista e no mundo, esse grupo de trabalhadores buscou — e busca — romper com a estrutura sindical em vigor e deu origem a uma série de discussões, tendo como referência o resgate de formas de organização que superam o modelo sindical em geral, e que aponta para os princípios universais de liberdade, autonomia e independência na organização dos trabalhadores.

Assim é que nos dias 10 e 11 de dezembro de 1994, contando com a participação dos companheiros das organizações já citadas e de outros segmentos afinados com o projeto, além de representantes de outras regiões do país, aconteceu em Salvador o “I Encontro da Oposição Operária”. Este teve como balizador dos debates a tese apresentada pela coordenação provisória da Oposição, da qual culminou com a aprovação da nossa Carta de Princípios.

Após esse primeiro evento de constituição dessa nova forma de organização, detalhada na Carta de Princípios, a Oposição Operária deu início à sua forma de intervir no movimento dos trabalhadores, sempre criticando o aparelhamento do sindicalismo oficial e apostando no resgate de formas clássicas de organização do poder operário. Como exemplo, temos os círculos, as comissões e os conselhos de trabalhadores, formas estas que já tratamos em alguns dos nossos documentos, como o Jornal Germinal.

Desde então, a Oposição Operária tem organizado uma série de eventos, tais como plenárias, debates, seminários e cursos de formação, nos quais se busca uma melhor preparação dos seus militantes e simpatizantes em torno das questões colocadas para o conjunto da classe trabalhadora.

Além desses eventos, a Oposição tem participado de encontros, congressos e seminários em vários ramos de produção, com textos e teses próprias, problematizando a realidade da classe trabalhadora e apontando alternativas de acordo com a nossa concepção do movimento.

Durante todo esse período, publicamos e distribuímos o boletim da Oposição Operária, agora com o emblema de Boletim ou Jornal Germinal, imprensa esta que visa o conjunto dos trabalhadores, mesmo que muitos dos seus números tenham um direcionamento específico, a depender do interesse colocado pela luta de classes. A nossa atuação se dá também em São Paulo, com material específico para bancários, ecetistas, metroviários, metalúrgicos, etc., e com a participação em comitês de trabalhadores.

Uma das principais preocupações do nosso grupo é a construção de um movimento coeso e vigoroso, capaz de contribuir para o resgate das lutas históricas da classe trabalhadora, visando a edificação de uma sociedade justa, igualitária e socialista.

Procuraremos resgatar categorias de análise que sejam capazes de permitir uma busca sempre constante para desmistificar a realidade a partir dos seus desdobramentos específicos, sem perder a noção da totalidade, ou seja, de todos os fenômenos que participam da construção do todo social.

Está lançado o nosso site, mais um instrumento de diálogo com os trabalhadores, que esperamos ver criticado, aferido, deglutido, divulgado, mas que, acima de tudo, seja reconhecido como um instrumento que acrescenta algo de novo. Que seja um instrumento de formação e informação, inserido na luta dos trabalhadores e em consonância com os seus objetivos, os mais imediatos e os estratégicos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s